5 dicas para evitar calotes de clientes

5 dicas para evitar calotes de clientes

Administrar um negócio é complicado, ter que se preocupar com finanças, marketing, agradar clientes, encontrar fornecedores, driblar a concorrência e investir em seu próprio empreendimento é difícil, nós concordamos. Por isso sabemos que tomar um calote de algum cliente é inadmissível, mas ao mesmo tempo você não quer deixar de oferecer alguns benefícios de pagamento para aqueles clientes mais antigos ou mais fiéis Por isso hoje, nosso debate vai envolver o tema: como evitar os calotes dos clientes sem perdê-los e sem afetar a entrada de novos clientes. 

Selecionamos portanto, cinco dicas cruciais que podem te ajudar e muito a não perder sua relação com o cliente e nem sair no prejuízo na hora do pagamento.

1 – Tenha opções de pagamento

A principal dica que o Ajuda MEI pode te dar, é você abranger suas opções de pagamento e oferecer além do pagamento a vista as opções de crédito e débito. Para isso tenha uma máquina ou maquininha de cartão, para auxiliar nessa escolha basta seguir o blog do Ajuda MEI, nele você encontrará nossos rankings das maquininhas. 

Outra dica importante, ao calcular um preço para seu produto, já acrescente o valor do juros inicial cobrado pelas máquinas de crédito e débito, evite também aceitar um número muito alto de parcelas, pois quanto maior a parcela maior o juros. Mas e se a compra for muito alta? e o cliente desejar muito? Avise-o que acima de x terá o juros do cartão. 

O que podemos te incentivar é se informar o máximo possível no setor financeiro, principalmente na área de Juros e Precificação, a forma de cobrança para o cliente deve ser o mais sutil possível, e ao mesmo tempo você MEI não pode sair no prejuízo nem perder uma venda.

Aceitando crédito e débito, você se posicionar melhor no mercado, uma vez que a tendência é que as pessoas andam cada vez menos com dinheiro em seus bolsos e carteiras e cada vez mais com seus cartões.

2 – Evite cheques

Sim, quando lhe incentivei a mais opções de pagamento estava apenas me referindo a credito e debito, existem outras opções como transferências, depósitos, boletos, mas não cheques. Por que não cheques? Pois além do trabalho a mais que você terá de ir no banco e depositar seu cheque, esse é o meio mais arriscado, já que o cliente pode não ter fundos para cobrir o que deve, dessa forma, o maior prejudicado é você empreendedor.

3 – Dê desconto ao pagamento à vista

Com certeza essa é a sua forma de pagamento favorita, portanto porque não incentivar o seu cliente a te pagar dessa forma? Como fazer isso?

Ofereça um desconto sobre a compra de seu cliente. Lembra do juros que te disse para acrescentar no preço de seu produto? Use ele de forma inversa, useo como um desconto e dessa forma você continua sem perder dinheiro, mantendo uma boa relação. 

Cuidado com descontos, também estabeleça limites, pode ser uma ferramenta atrativa porém pode prejudicar seu caixa.

4 – Utilize Ferramentas de controle que auxiliem na cobrança

Não existe mal algum cobrar um sinal de seu cliente principalmente para encomendas ou uma quantidade alta de dinheiro, em casos como empresas de serviço é comum exigir do cliente um contrato assinado, simples atitudes que diminuem o seu risco de calote. O seu tempo de preparo, planejamento e até mesmo dinheiro usados para realizar o que o cliente deseja, não pode ser pago com um calote, então separe a sua pessoa juridica da pessoa fisica, deixe “favores” apenas com sua pessoa física, deixe seu lado empresário e a sua empresa imparcial a relações, pense em seu risco e que o acúmulo destas perdas irão resultar danos negativos ao seu negócio.

5 – Organize se

Vender fiado ainda é a realidade de muitos Microempreendedores Individuais, ao invés de te dizer que você deve acabar com essa forma de pagamento, vamos te dar um conselho, evite venda a fiado para qualquer um saiba quem são seus clientes de maior confiança.

Pense que aquele cliente que todo dia passa pela sua loja possui menos risco de te dar um calote do que os menos vistos. Portanto selecione quem pode pagar fiado e quem não, o mais importante é se ORGANIZAR, monte uma planilha em seu computador ou anote em um caderno, não esqueça de anotar o nome completo, não se prenda apenas a referências longas como: (Catarina, filha de Seu Jorge que trabalha na padaria do bairro vizinho, comprou meio quilo de tomates ontem.).

Tenha anotado além do nome completo e referência, telefones (evite anotar um número só), anote o produto/serviço adquirido, o valor, o dia da compra e dependendo do caso não tenha vergonha de pedir algum documento de confirmação. Afinal, você que está correndo um risco, certo?!

Bônus

Emita nota fiscal. Mesmo não sendo obrigado, é uma opção vantajosa para você MEI, além de te auxiliar na confecção de seu Relatório Mensal das Receitas Brutas e consequentemente de seu DANS SIMEI (Declaração Anual do Simples Nacional). Você também irá possuir outra segurança de controle das entradas e saídas de seu caixa, além de ser um comprovante fiscal para seus clientes e fornecedores, impedindo possíveis  complicações jurídicas futuras. Para mais informações sobre Notas fiscais veja nosso próximo post

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *