Como vender o seu peixe?

Como vender o seu peixe?

Você é daqueles que, quando falam em vender o seu produto ou serviço, arruma mil e uma desculpas para provar que não nasceu com esse “dom”? Sabemos que o microempreendedor normalmente acumula funções, e a parte comercial não pode estar fora disso. Afinal, nenhuma empresa permanece aberta sem vender e lucrar com isso, não é mesmo? Então tire esse medo da cabeça e confira as nossas 4 dicas para aprender  “Como vender o seu peixe?”! Vamos lá?

1 – Compreenda as necessidades do seu público-alvo

Partindo do princípio de que você já conhece o público-alvo da sua empresa, é importante entender quais são as principais necessidades desses potenciais clientes. É interessante responder algumas perguntas como:

  • Quais são os problemas enfrentados pelos meus clientes? 
  • Como eles resolvem (ou tentam resolver) esses problemas hoje? (Aqui é importante destacar as alternativas existentes, ou seja, as empresas das quais o seu público consome)

Ao concluir essas questões, ficará mais claro quais questões a sua empresa pretende resolver.

2 – Investigue o valor da sua solução para o cliente

Após entender as dores dos seus clientes, é necessário verificar se a sua solução possui relevância para os problemas identificados, além de compreender como a sua solução pode melhorar a vida ou o negócio do seu cliente. Para isso, faça uma lista com todos os benefícios que o seu produto ou serviço podem proporcionar ao cliente, tanto nos aspectos funcionais quanto nos emocionais e apresente-os aos seus potenciais compradores. Aqui, vale destacar também os diferenciais da sua marca frente aos concorrentes, aqueles quesitos que deixam-na em um posição superior aos demais.

Uma forma de identificar o nível de valor que o seu cliente enxerga na solução oferecida é atrelando-o ao preço que faça sentido. Caso o seu potencial comprador costume comparar a sua marca a outras ou pedir descontos constantemente, é hora de observar quais aspectos ele caracteriza como mais importantes no produto e quais não são pertinentes. Pode ser que o valor da sua solução não esteja coerente com o preço estabelecido ou não tenha sido apresentado ao público de modo correto.

3 – Entenda o Ciclo de Venda do seu produto

O ciclo de venda trata-se de todo o processo necessário para a venda de determinado produto ou serviço, iniciado ao obter o primeiro contato com o cliente e finalizado no pós-venda. E como ele pode te ajudar? Auxiliando no modo de agir em cada fase do desenvolvimento dessa venda. Vamos te explicar melhor!

O ciclo de venda pode ser dividido em algumas partes:

  1. Prospecção: Identifique pessoas que estejam dentro do perfil do seu público-alvo e entre em contato com esses potenciais clientes para um primeiro contato, seja por meio de ligação, e-mail, conteúdos nas redes sociais ou site de sua empresa, entre outros.
  2. Qualificação: Verifique quais desses potenciais clientes realmente possuem interesse em seu produto e estão mais próximos do “momento de compra”, para que você não gaste recursos com outros que certamente não se tornarão compradores de sua empresa.
  3. Apresentação: Exponha os benefícios de seu produto para o cliente e, como citado no tópico anterior, sem focar apenas nas especificações técnicas do mesmo. Lembre-se de ressaltar o nível de impacto que ele proporcionará ao comprador.
  4. Fechamento: Efetive a compra.
  5. Acompanhamento: Mantenha contato com o seu cliente, busque entender os seus níveis de satisfação e utilize esse contato para oferecer novos produtos futuramente.

Vale lembrar que esses tópicos tratam-se apenas uma orientação e devem ser adaptados às necessidades de sua empresa.

4 – Crie conexões com o seu público

Uma técnica que pode te ajudar a alavancar as vendas da sua empresa, usada por marcas como Apple e Natura, é o storytelling, que trata-se basicamente do processo de contar histórias com o objetivo de estabelecer conexões com o seu público. Ela pode ser utilizada em diversas fases do seu Ciclo de Venda, como na apresentação do seu produto, para impactar o seu potencial cliente de modo a deixá-lo mais suscetível a realizar a compra do seu produto. 

Mas por que histórias? Bom, elas possuem um impacto psicológico maior superior a apresentação de dados e gráficos, apresentando um nível entre 65% e 70% no que diz respeito à retenção de informações. Em contrapartida, a exposição apenas de dados estatísticos leva a um nível de absorção entre 5% e 10%. 

E como criar essas histórias? Elas podem ser elaboradas com base em casos reais de sucesso, ou seja, pode-se retratar um cliente da sua empresa que obteve sucesso ao obter seu produto ou serviço. Deve-se começar pelo problema inicial do seu cliente, seguido da solução oferecida pela sua empresa e finalizando com as melhorias alcançadas. Por tratar-se de um relato verdadeiro, o público passa a enxergar a sua marca com uma maior credibilidade.

A segunda opção seria formular uma história fictícia, mas que possua relação direta com os problemas enfrentados pelo seu público-alvo. Assim, é importante ressaltar nesse conto a missão da sua empresa, como pretende atingi-la e, por fim, os produtos ou serviços que ela oferece. Seguindo essa sequência, cria-se um conexão emocional maior com os seus potenciais clientes, aumentando a probabilidade deles comprarem de sua empresa.

E você, já está pronto para bombar as vendas da sua empresa? Ainda tem alguma dúvida? Então é só nos enviar uma mensagem pelo Facebook ou Instagram, ou se preferir, nos encaminhar um e-mail pelo contato@ajudamei.com. E se você deseja receber mais conteúdos como esse, é só nos acompanhar em nossas redes sociais @ajudameioficial! Até a próxima!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *