Como lidar com as incertezas que nos rodeiam

Como lidar com as incertezas que nos rodeiam

Olá, leitores!!

É impressão minha ou essas últimas quatro semanas passaram voando?? Parece que foi ontem que começamos a conversar aqui… incrível, não?!?

Com este post, último da série que inaugurou a Coluna do Empreendedor, aqui no Ajuda MEI, quero falar com vocês muito mais como uma velha conhecida que compartilha os mesmos interesses, sofre os mesmos dilemas e se encanta com as mesmas conquistas. Sabem aquela vontade de deixar uma mensagem, um recado, que a gente acredita que pode fazer diferença? É isso… aí vai!

Não sei se vocês já ouviram a expressão “mundo V.U.C.A.” , mas é ela que melhor define o período que vivemos atualmente: um mundo volátil, incerto (uncertain, em inglês), complexo e ambíguo. Parem para pensar… não é assim mesmo que as coisas estão acontecendo à nossa volta?

Ao empreender, ouvimos sobre a necessidade de criarmos o planejamento estratégico da empresa, definirmos visão, missão, valores, público alvo, equipe e fornecedores, respondermos sobre os 5W2H, escolhermos os P’s do Marketing e os C’s do Crédito, sabermos sobre todos os I’s dos impostos… Tudo parece querer nos convencer de que há um jeito, uma regra, um segredo sobre nos protegermos das ameaças, dos riscos e, em última instância, da falência. Mas cá entre nós… como sustentar crenças ou verdades ou planejamentos feitos numa época em que a incerteza, a complexidade e a multiplicidade de formas de agir e reagir são cada vez mais reais e frequentes?

O que vai acontecer a partir da aprovação da Reforma da Previdência? No que vai dar (se é que vai dar…) a Reforma Tributária? E como ficarão as relações trabalhistas? Até que ponto a precarização do trabalho vai impactar a expectativa de vida? A Indústria 4.0 vai extinguir ou criar novos postos de trabalho? E o comércio exterior? E o meio ambiente? Nossa… quem consegue planejar algo, mesmo a curto prazo, com todas essas questões tão indefinidas?

De tudo o que já ouvi e li, como contei a vocês no post anterior, encontrei em Joi Ito, autor do livro “Disrupção e Inovação – como sobreviver ao futuro incerto”, inspiração e boas dicas sobre como ir adiante nesse grande desafio que é empreender. Na semana passada, eu comentei sobre dois de seus princípios organizadores para líderes: o “Puxar acima de Empurrar” e o “Resiliência acima de Força”. Finalizando essa série de conversas, compartilho com vocês mais dois princípios que considerei muito valiosos e aplicáveis para todos nós que empreendemos e exercemos a liderança.

O primeiro é “Diversidade acima de Habilidade”. Isso! Temos de apostar na diversidade! Num mundo V.U.C.A., não faz sentido mantermos o mesmo padrão e atitudes de décadas atrás. Di-ver-si-da-de!! É tempo de apostar no que é diferente, nas novas ideias, novos comportamentos, novos olhares. É dar voz e vez às mulheres, às pessoas com deficiência, aos negros, aos idosos, aos jovens, às minorias LGBT+ e à todas as outras minorias que pintarem por aí!

Não se trata apenas de cumprir o que está previsto em Lei ou se autodeclarar “socialmente responsável”… É abraçar, trazer pra perto, pra dentro dos nossos espaços. É entender que o pluralismo agrega valor não apenas ao ambiente onde estamos inseridos, mas à toda sociedade. Autores afirmam que as melhores práticas voltadas às questões da inclusão da diversidade são as que focam na criação de relacionamentos positivos e respeitosos entre todas as partes envolvidas no negócio. Joi Ito nos convida a encararmos as “nossas diferenças como formas de talento” e tirarmos proveito disso. Adotar a máxima do “diferentes mas iguais” contribui para a redução da discriminação e, no final das contas, gera mais inovação e até retorno financeiro efetivo às organizações. Como ele diz, “a diferença faz diferença”, tanto para o empregado quanto para o empregador. Pensem nisso!

Por último, apresento o princípio “Bússolas ao invés de Mapas”. O princípio, segundo Ito, é simples – mais ou menos assim: ter um mapa implica ter um conhecimento detalhado do terreno e a existência de uma rota ideal; já a bússola, ferramenta muito mais flexível, exige que o usuário empregue boa dose de criatividade e tenha autonomia na descoberta de seu próprio caminho. Ou seja, a decisão de dispensar o mapa em favor da bússola, ele diz, é reconhecer estar num mundo cada vez mais veloz, imprevisível e incerto. Ainda que um “mapa detalhado” possa nos levar longe, mesmo a um custo mais alto, Joi Ito afirma que “uma boa bússola vai sempre nos levar onde precisamos ir”. Dá para perceber o mundo de possibilidades que se abrem pra gente, a partir de um pensamento assim?

Sinceramente, quando li sobre esse princípio, senti um alívio profundo. Alívio em perceber que era mais ou menos assim que eu guiava minha vida pessoal e também profissional. Alívio em sacar que alguém não só entendia sobre essa minha maneira de agir e fazer, mas a recomendava.

Em nada esse princípio (ou eu mesma) incita todos a abrirem seus negócios sem terem objetivos e ideias bem concebidas sobre o que querem fazer. Não se trata de sermos todos inconsequentes ou irresponsáveis. Não estamos falando sobre ignorar planejamentos e seguir vivendo no melhor estilo “Zeca Pagodinho” do “deixa a vida me levar… vida leva eu”… Claro que não é isso!

O princípio “Bússolas ao invés de Mapas” fala sobre entendermos que, com a bússola na mão (e não com um mapa), o nosso caminho rumo aos nossos objetivos pode não ser reto, mas poderá ser mais rápido, mais flexível, mais leve e até mais barato do que se insistirmos em nos manter firmes, numa rota pré-planejada. Joi Ito nos assegura que priorizar a bússola, ante o mapa, nos permitirá explorar novos cenários, experimentar desvios e, quem sabe, descobrir tesouros.

E é essa a mensagem que quero deixar a vocês, leitores do Ajuda MEI. Não tenham medo do risco, do novo! Permitam-se inovar, explorar e controlar as descobertas feitas ao acaso. Busquem compreensão para os assuntos que forem complicados para vocês! Estejam preparados para responder com rapidez às mudanças que não vão parar de nos surpreender. Revejam seus planos, reavaliem suas metas, repensem suas operações. Quando quer que os obstáculos e crises surjam, não refuguem na tentativa de desistir de suas ‘aventuras’. Vão em frente! Busquem nos livros, nas Universidades e nos espaços criados, e que estão de portas abertas para receber profissionais como vocês, o apoio e as respostas que precisam e que sempre precisarão.

Quando quer que se sintam ameaçados, lembrem-se de tirar suas ‘bússolas’ da gaveta e deixá-las guiar seus passos, com firmeza e segurança, através da criatividade e inovação. Só pode dar certo! Vocês, eu aposto, saberão chegar longe!!

Agradeço pela oportunidade de compartilhar com vocês um pouco da minha experiência e história. Deixo o meu e-mail para os que quiserem entrar em contato e desejo enorme sucesso a todos, em todas as suas iniciativas!

Este post é o 4º da nossa colaboração com a Neide Lúcia a qual agradecemos imensamente a parceria. Para entrar em contato com a Neide, basta enviar um e-mail para nl@brasilamerica.com.br. Caso você tenha perdido alguma postagem, clique aqui para conferir todos os artigos da Coluna do Empreendedor.